Presidente do Centro Dom Vital concede entrevista à agência de notícias ZENIT

Entrevista com Carlos Frederico Gurgel Calvet da Silveira, doutor em Filosofia, e atual presidente do Centro Dom Vital

Frederico-2-1024x768Fundada em 1922 pelo jornalista Jackson de Figueiredo, o Centro Dom Vital, daqui a 6 anos, completará os seus 100 anos de existência, sem nunca ter tido as suas atividades interrompidas desde a fundação.

O nome do Centro se inspirou no conhecido bispo de Olinda, Dom Vital Maria Gonçalves de Oliveira, OFM Cap (1844 – 1878), preso pelo Imperador Dom Pedro II, na Questão Religiosa, conflito que aconteceu no Brasil de março de 1872 a setembro de 1875 entre a Igreja Católica e a Maçonaria.

Carlos Frederico Gurgel Calvet da Silveira, doutor em Filosofia, é o atual presidente do Centro Dom Vital e concedeu, nessa semana, uma entrevista à ZENIT.

***

ZENIT: Qual é o objetivo, o carisma, a missão do Centro Dom Vital (CDV)?

Carlos da Silveira: O Centro Dom Vital (CDV) é uma associação brasileira de católicos leigos de caráter nacional, sediada na cidade do Rio de Janeiro, fundado em 1922 pelo jornalista Jackson de Figueiredo.

No âmbito intelectual, constitui-se numa das mais influentes e antigas agremiações culturais brasileiras do século XX. Ao longo de sua história, recebeu importantes nomes da intelectualidade nacional e internacional. Trata-se de um centro cultural católico cujo objetivo é desenvolver a cultura, em comunhão com o Magistério da Igreja. De fato, podemos afirmar que a principal missão do Centro Dom Vital é a evangelização por meio da cultura. Desde a reinauguração de sua sede, o Centro Dom Vital tem oferecido diversos cursos, palestras, lançamentos de livros, recitais, etc., todos relacionados a diversas áreas do conhecimento. Como disse São Pedro, somos chamados a dar as razões de nossa esperança. Nossas formações sempre buscarão uma edificação plena do ser humano em suas dimensões fundamentais O conhecimento é também ocasião de encontro com Deus.

ZENIT: Que tipo de formação o CDV oferece? Online? Presencial? Tem site e revista?

Carlos da Silveira: O CDV oferece formação presencial. Ensejamos fornecer formação online num futuro próximo. Contudo, o site do Centro já oferece material interessante para os que quiserem uma aproximação maior com a cultura cristã (http://www.centrodomvital.com.br). O mesmo se diga da página no facebook (https://www.facebook.com/CentroDomVital).

O CDV possui uma importante revista, “A Ordem”, que, desde 1921, oferece a seus leitores uma visão cristã nas mais diversas áreas: filosofia, literatura, cinema, teologia, entre outras. Foi a revista da intelectualidade brasileira, lançando autores e recebendo colaborações de membros ilustres, como o intelectual e presidente Alceu Amoroso Lima, o poeta Murilo Mendes, o articulista Gustavo Corção, o jurista Sobral Pinto, e mesmo Carlos Drummond de Andrade, um dos maiores poetas brasileiros, lançou textos inéditos no periódico.

Por sua vocação ao diálogo, recebeu também textos de não cristãos, sempre prontos ao debate aberto e respeitoso. Recentemente, A Ordem retomou sua periodicidade semestral. Novos autores, antigos debates, mesmo espírito! Tudo o que é realmente bom e verdadeiro, belo e honesto, justo e humano interessa à revista. As grandes experiências culturais, na medida em que se tornam momento de encontro e abertura, refletem perfeitamente o espírito de diálogo e escuta, que permeia e dá forma ao CDV e que se encarna concretamente nas laudas do periódico. Em 2015, foram publicadas duas edições. Para 2016, estão previstas 3, sendo a edição 100 comemorativa. Os membros recebem gratuitamente os exemplares.

ZENIT: O CDV, hoje, está na linha do Papa Francisco? Em que sentido?

Carlos da Silveira: Certamente. Admiramos muito o papa Francisco, um dom para a Igreja e para o mundo nos dias atuais. O Centro tem uma identidade católica, apostólica, com uma postura aberta e dialogante, em consonância com o Concílio Vaticano II. Os grandes ideais deste Concílio renovador são os nossos ideais, como a promoção da Liturgia como centro da vida cristã, os diálogos ecumênico e inter-religioso, o estudo das fontes cristãs, da Patrística, da tradição escolástica, sobretudo tomista, e o diálogo crítico com o pensamento contemporâneo, o estudo da Escritura.

Nesta última área, alguns teólogos nos ajudam na difusão da verdade bíblica consoante os critérios da exegese contemporânea: assim como o professor da PUC-Rio, Dr. Pe Leonardo Agostini, que já ministrou alguns cursos no nosso Centro. Também o especialista no Novo Testamento, Prof. Dr. Pe. Heitor Carlos Santos Utrini, que é o atual Diretor Espiritual e também professor do Centro Dom Vital.

ZENIT: Civilmente o CDV é uma Associação sem fins lucrativos? E canonicamente?

Carlos da Silveira: Sim, o CDV é uma associação de leigos católicos, sem fins lucrativos. Canonicamente, a provisão do Presidente e sua diretoria emana do Cardeal Arcebispo do Rio de Janeiro. Nossa ligação com o Pontifício Conselho para a Cultura também é uma realidade presente. No ano passado, foi entregue ao Cardeal Ravasi um dossiê sobre o Centro Dom Vital, o qual continha, entre outros, natureza, histórico, atualização do endereço, estatuto, atividades de 2014 e 2015.

ZENIT: Quem pode se associar? Qualquer católico?

Carlos da Silveira: Qualquer pessoa de boa vontade, não necessariamente católica, pode ser membro do CDV. A candidatura de um membro é votada pela Diretoria. Assim que aprovados, os membros recebem o estatuto, exemplares da Revista A Ordem, colaboram mensalmente com a quantia conforme sua disponibilidade, participam de uma Assembleia anual e são convidados para todas as atividades. Para obtenção de mais informações, podem escrever para: comunicacao@centrodomvital.com.br.

ZENIT: Há atividades de cunho ecumênico? Por quê?

Carlos da Silveira: Como dissemos, o Centro Dom Vital, em consonância com as orientações do Vaticano II, sobretudo com a Unitatis Redintegratio e a Nostra Aetate, e com as atividades dos papas de Paulo VI a Francisco, promove o diálogo ecumênico e inter-religioso. Neste ano, por exemplo, serão promovidos um Ciclo de Diálogo Inter-religioso em fevereiro e um Ciclo Ecumênico em maio, próximo a Pentecostes. São fundamentais o diálogo e a abertura fraterna, mesmo na diferença, sem jamais perdermos nossa identidade. O Papa Francisco tem enfatizado a importância desta cultura do encontro e desta atitude congregadora também entre as religiões.

ZENIT: O CDV tem sede própria? Onde se encontra?

Carlos da Silveira: Em março de 2015, o Centro retornou à sua antiga sede, localizada à Rua Araújo Porto Alegre, 70, salas 105 a 111. A reinauguração contou com a ilustre presença do Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, Dom Orani João Cardeal Tempesta. É um espaço preparado para os tipos de eventos que promovemos: auditório, arquivo, biblioteca, secretaria. Um espaço moderno e acolhedor.

ZENIT: Há bispos que são associados ao CDV? Poderia citar alguns nomes?

Carlos da Silveira: Por exemplo,  Dom Tarcísio Nascentes dos Santos, Bispo da Diocese de Duque de Caxias. O próprio Cardeal do Rio, Dom Orani João Tempesta, é o nosso principal líder espiritual, uma presença constante na vida do Centro. É importante lembrar que o CDV homenageia um importante bispo brasileiro: Dom Frei Vital Maria Gonçalves de Oliveira, capuchinho, 1844-1878, um verdadeiro mártir na defesa da fé católica no Brasil.

ZENIT: Se um grupo de católicos quisesse fundar uma filial do CDV em outra cidade, estado ou país, seria possível? Como proceder?

Carlos da Silveira:O artigo 34 do Estatuto prevê a difusão de núcleos pelo país, sob a mesma denominação em todos os Estados, dentro das normas gerais do Centro. Também é permitida a implantação em outros países. Caso algum grupo possua este interesse, seria importante entrar em contato conosco para maior detalhamento. Podem enviar email para comunicacao@centrodomvital.com.br.

ZENIT: Poderia falar-nos um pouco sobre a programação do CDV para 2016?

Carlos da Silveira: Na primeira grade de 2016, estão inclusas estas atividades:

·         Curso – De 15/02 a 21/03 às segundas-feiras: Quinto módulo* – A Obra dos Seis Dias: Comentário à Suma Teológica de Santo Tomás de Aquino, questões 65 a 74 – Prof. Dr. Carlos Frederico Gurgel Calvet da Silveira
* Os módulos são independentes, os alunos podem ingressar a qualquer momento.

·         Ciclo do Diálogo Inter-religioso – 22, 23, 25 e 26/02
22/02 – “Islamismo: Religião e Paz” – das 18 h às 19h; ao final haverá a Oração pela Paz com a presença do Cardeal Tempesta (cada representação religiosa fará sua oração, haverá também cristãos não católicos)
23/02 – “Candomblé: Religião e Paz” – das 18 h às 19h30
25/02 – “Judaísmo: Religião e Paz” – das 18 h às 19h30
26/02 – “Budismo: Religião e Paz” – das 18 hàs 19h30

·         Forum Permanente de Liturgia para clérigos e leigos (encontros mensais) – 15/02 (segunda) das 19h às 20h30
Tema: “O ano litúrgico a partir da renovação proposta pela Sacrosanctum Concilium” – Pe. Fábio da Silveira Siqueira, Pároco da Paróquia Nossa Senhora de Fátima, Vice-Diretor das Escolas de Fé e Catequese Mater Ecclesiae e Luz e Vida

·         Lançamento do livro: “A Personalidade Jurídica da Igreja Católica no Brasil: do Padroado ao Acordo Brasil – Santa Sé” – Rafael Salomão Safe Romano Aguillar – 19/02 (sexta) das 19h às 20h

·         Palestras:   Encíclica do Papa Francisco “Laudato Si” – Pe. Josafá Carlos de Siqueira, SJ, reitor da PUC – 16/02 (terça) das 18 h às 19h30; “Direito Matrimonial e Canônico” – Pe. José Edilson de Lima, Administração Apostólica São João Maria Vianney, Auditor no Tribunal Interdiocesano e de Apelação do RJ – 19/02 (sexta) das 18h às 19h;   “A razoabilidade da fé” – Pe. Gilson de Oliveira e Silva, Pároco da Paróquia Bom Pastor e Nossa Senhora de Fátima, membro da Fraternidade dos Sacerdotes do Movimento Católico “Comunhão e Libertação” – 18/03 (sexta) das 18h às 19h30.               Continuaremos com cursos e palestras com a presença de cardeais, bispos, padres, religiosos, diáconos e leigos e o convite para que as pessoas possam participar e usufruir destas riquezas educativas e espirituais. Podemos citar entre as áreas de conhecimento que serão abordadas estas: Filosofia, Teologia, Direito, Literatura, Música, Medicina, História, Arte, Tecnologia da Informação e outras. Além da continuidade e expansão da grade de cursos e palestras, serão implementados os seguintes projetos: organizar o arquivo do Centro; organizar a biblioteca; enriquecer o acervo; implantar o cineclube.Também haverá diversos lançamentos de livros, recitais e celebrações litúrgicas.

cdv